Pesquisa pioneira revela perfil dos frequentadores da Cracolândia

O total de mulheres que frequentam a região da Cracolândia dobrou de 16,8% para 34,5% no intervalo de apenas um ano. Em 2016, 119 mulheres foram encontradas no local. Este ano, o número subiu para 642 mulheres.

Esse e outros dados fazem parte de uma pesquisa divulgada pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social que abrange o período comparativo entre abril e maio de 2016 e abril e maio de 2017.

É o primeiro perfil traçado sobre usuários na região, envolvendo dados de características sociodemográficas, vulnerabilidade social, rede de suporte social, padrão de uso de substância e uso dos serviços disponíveis para a população.

O levantamento, feito em consultoria com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), traz outras informações sobre o perfil de usuários de crack na região. Entre as 139 pessoas entrevistadas no período, 44,2% (homens e mulheres) atribuem o fato de frequentarem a região a conflitos familiares, como perdas, divórcios, violência e abandono.

Entre os entrevistados, 44% manifestaram interesse de parar de consumir drogas. A conclusão é de que essa intenção está associada à participação em tratamentos anteriores contra a dependência.

Das mulheres participantes da pesquisa, 14,3% estavam grávidas. Mais da metade das mulheres que disseram já ter engravidado não quis fazer o pré-natal. Em gestações anteriores, as mulheres se referiram a diversos problemas, como filhos abaixo do peso (100%), filhos prematuros (67%), abortos (21%), natimortos (21%) e UTI (21%).

As mulheres também relataram terem sido vítimas de abuso físico e sexual na infância (44,1%); sofrido violência física na Cracolândia (70,6%); e que já haviam consumido drogas injetáveis (40%).

A maioria dos entrevistados não possuía Ensino Médio e a pesquisa constatou que aumentou o número de pessoas com curso superior. Outra constatação é de que nem todos os frequentadores da região são usuários de crack: 15% se declaram alcoólicos e 13% disseram não usar qualquer tipo de droga.

Entre os dependentes químicos, mais da metade (66,4%) não estava em situação de rua antes de consumir drogas; 74% moravam em suas casas ou nas casas dos familiares antes de irem para a Cracolândia; 42% contaram não ter o que fazer em situação de emergência; e, dos que possuem algum tipo de apoio, 57,6% dizem contar apenas com a ajuda de familiares.

Foram excluídas da pesquisa as pessoas que estavam  consumido crack no momento da entrevista, desacordados e que apresentavam comportamento violento. A área de abrangência compreendeu os perímetros previamente delimitados das ruas Dino Bueno, Helvétia e Praça Largo Sagrado Coração de Jesus.

Programa Recomeço

O Programa Recomeço do Governo do Estado oferece 3.327 vagas para tratamento de dependentes químicos por meio de uma rede de assistência social e de saúde. O Recomeço desenvolve ações de prevenção ao uso de substâncias psicoativas e de combate ao tráfico de drogas, controle e requalificação de territórios. O apoio se estende aos familiares, acesso à iniciativas de justiça e cidadania, apoio socioassistencial e tratamento médico. 

FONTE: Agência Brasil.

FOTO: GOOGLE.



adidas nmd adidas superstar Adidas Sko nike sko nike air max nike huarache puma sko Timberland Sko converse sko New Balance Sko louis vuitton taske michael kors taske polo ralph lauren skjorte polo shirt
barbour kurtki peuterey kurtki barbour polska canada goose kurtka ugg buty ugg polska canada goose jakke belstaff danmark canada goose tilbud parajumpers dame belstaff jacket canada goose danmark canada goose jakke dame barbour jakke woolrich jakke canada goose b?rn jintropin preis somatropin kaufen hgh kaufen hygetropin kaufen jintropin kaufen jintropin hygetropin bestellen kamagra jelly australia kamagra australia